Mais um evento de sucesso: Soluções liberais para o transporte público

Estamos muito orgulhosos. Promovemos na noite do dia 10 de maio a mesa redonda “Soluções liberais para o transporte público”. O Auditório Azul da Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia da Universidade de Brasília (FACE/UnB) estava lotado.

Trabalhamos duro na organização. Planejamos detalhes para que tudo se desse da melhor forma possível. O resultado não poderia ser diferente: dezenas de pessoas efetuaram doações para que o Distrito Liberal empreendesse essa atividade acadêmica. O dinheiro foi investido em divulgação (impressão de flyers, cartazes e banner), coffee break, traslado de um dos palestrantes que reside em outro estado e outros pequenos gastos para operacionalidade. Ao final, elogios e boas propostas.

Auditório Azul da FACE/UnB estava lotado.

O Subprocurador-Geral da República, professor Hugo Gueiros, alertou para o problema das licitações. Por que somente temos um único vencedor? Por que não podemos ter várias empresas operando concessões e permissões, desde que cumprindo os requisitos dos editais? Sua fala comprovou que a ação do governo cria oligopólios e que tal sistema pode criar falhas intencionais: companhias de transporte podem combinar entre si quem será o vencedor de certos editais, eliminando a competição antes mesmo de termos uma companhia operando legalmente no mercado.

O professor de Engenharia Civil da Universidade de Brasília, professor Eliezé Bulhões, mostrou que havia inúmeras divergências entre o que era considerado aceitável pelo público consumidor e o que era efetivamente fornecido pelas empresas de transporte público no Distrito Federal. A principal reclamação era o tempo de espera. Assim, o chamado transporte pirata floresceu enormemente, chegando a ter mais carros na frota ilegal que na frota legal. Após anos de caça aos transportes pirata, aplicativos como Uber, CaronaPhone, ZazCar e Paper emergiram para suprir a demanda latente na população. Se não há um órgão gestor competente do governo, que pelo menos eles (os burocratas do governo) não atrapalhem a população.

O professor de Economia do Instituto Federal de Goiás, professor Adriano Paranaíba, ilustrou que o Brasil possui um potencial enorme para privatizar seus serviços públicos. O ponto máximo seria privatizar uma cidade inteira, como é o caso de Sandy Springs, nos Estados Unidos. Num nível mais palpável, a própria população deveria assumir o controle dos quarteirões e empresas poderiam assumir o controle das ruas. Iniciativas em Hong Kong e Inglaterra deram certo: metrôs e outros atrativos de transporte público foram coordenados com a iniciativa privada para agradar a população e o governo.  Esses e outros casos estão detalhados em seu livro Transporte & Liberalismo. Para adquiri-lo, visite o site http://www.adrianoparanaiba.com.br/

Flyer de divulgação do evento. Arte do diretor Eric Vasconcelos.

O evento contou com a presença do Chefe de Gabinete da Reitoria, professor Paulo César, e com o representante do Decanato de Assuntos Comunitários, professor Alexandre Rezende. A plateia estava diversificada: havia membros de partidos políticos, notadamente o Partido Novo e do movimento liberal do PSL, o Livres. Também havia trabalhadores do Congresso, diplomata, alunos e professores Universidade de Brasília e cidadãos querendo conhecer mais as propostas para melhorar o transporte público. O evento foi um sucesso! O Distrito Liberal se orgulha em ser um disseminador de ideias liberais.

Da esquerda para direita: Professor Hugo Gueiros, mediador da mesa Rafael Ribeiro, diretores do Distrito Liberal Hiago Tadeu, Júnio Paschoal e Gabrielle Castelo Branco, Professor Eliezé Bulhões, Professor Adriano Paranaíba e diretores do Distrito Liberal Raphael Frinhani (fundo), Allana Peixoto e Eric Vasconcelos.

A todos nossos seguidores que nos apoiaram, deixamos aqui o nosso muito obrigado!. Não seria possível realizar um evento com tamanha qualidade sem o público que nos apoia. Todos os diretores e associados do Distrito Liberal agradecem imensamente. Muito obrigado.

Distrito Liberal Autor

Equipe do Distrito Liberal.

Deixe uma resposta